top of page
Buscar
  • Foto do escritorMurillo Gois

Os pioneiros da cidadania italiana


O primeiro registro documentado de um italiano no Brasil remonta ao início do século XVI. Trata-se de Giovanni da Verrazzano, um explorador florentino que esteve a serviço da coroa francesa. Verrazzano teria chegado ao Brasil em 1503 como parte de uma expedição exploratória. Ele visitou a costa brasileira antes de continuar suas viagens pela América do Norte, onde é mais conhecido por explorar a costa leste dos Estados Unidos e dar seu nome à ponte Verrazzano-Narrows em Nova York.


Embora não existam muitos detalhes sobre sua estadia no Brasil, a presença de Verrazzano é significativa como um dos primeiros europeus a explorar a região, e ele representa o primeiro italiano registrado em território brasileiro.


O primeiro italiano a obter cidadania brasileira foi Luigi Rossetti. Rossetti chegou ao Brasil no século XIX, em um período marcado pela imigração italiana incentivada pelo governo brasileiro para suprir a demanda por mão de obra nas lavouras de café e outros setores agrícolas.


Luigi Rossetti foi um personagem importante durante a Revolução Farroupilha (1835-1845) no Rio Grande do Sul, conflito também conhecido como Guerra dos Farrapos, que buscava maior autonomia da província em relação ao governo imperial brasileiro. Ele desempenhou um papel ativo no movimento, contribuindo como jornalista e redator do jornal "O Povo", que era o órgão oficial dos rebeldes farroupilhas.


Rossetti é uma figura emblemática por ter se naturalizado brasileiro em um contexto de luta pela independência regional, sendo reconhecido como o primeiro italiano a obter a cidadania brasileira, integrando-se à sociedade e à política local de forma significativa.


O primeiro brasileiro a obter cidadania italiana foi Enrico Serafim Derito. Nascido no Brasil em 1879, filho de imigrantes italianos, Enrico Derito tornou-se cidadão italiano por meio do princípio do "jus sanguinis" (direito de sangue), que permite a transmissão da cidadania italiana aos descendentes de italianos.


Essa prática é comum entre descendentes de imigrantes italianos ao redor do mundo. Muitos brasileiros com ascendência italiana optam por obter a cidadania italiana para se reconectar com suas raízes, facilitar viagens e trabalho na União Europeia, e usufruir de outros benefícios que a dupla cidadania pode proporcionar.


No contexto de Derito, ele representa um exemplo significativo de como os descendentes de italianos mantiveram e formalizaram seus vínculos com a Itália, mesmo estando em solo brasileiro.


Um fato curioso sobre os pioneiros a conseguir dupla cidadania entre Brasil e Itália é que muitos dos primeiros italo-brasileiros a buscar o reconhecimento de sua cidadania italiana o fizeram não apenas por motivos burocráticos ou de conveniência prática, mas também como uma forma de reafirmação cultural e identidade pessoal.


Durante o final do século XIX e início do século XX, os imigrantes italianos enfrentaram desafios significativos ao se estabelecer no Brasil, incluindo barreiras linguísticas, culturais e sociais. No entanto, esses imigrantes e seus descendentes mantiveram vivas muitas das suas tradições, dialetos e costumes italianos, formando comunidades coesas onde a cultura italiana era preservada.


Outro aspecto interessante é a influência das colônias italianas no Brasil. Cidades como São Paulo, Campinas e Caxias do Sul viram um grande influxo de imigrantes italianos, que criaram bairros inteiros com características fortemente italianas. Esses bairros não apenas facilitaram a integração dos italianos no Brasil, mas também serviram como pontos de apoio cultural e social para aqueles que buscavam o reconhecimento de sua cidadania italiana.


Um exemplo notável é o bairro do Bixiga, em São Paulo, fundado por imigrantes italianos no final do século XIX. O Bixiga tornou-se um centro vibrante da cultura italiana no Brasil, com festivais, igrejas e associações italianas. Foi em comunidades como esta que muitos descendentes de italianos começaram a formalizar seus pedidos de cidadania italiana, ajudando a manter vivas as conexões com a terra de seus antepassados.


Além disso, a obtenção da cidadania italiana por descendentes brasileiros ajudou a fortalecer os laços econômicos e culturais entre Brasil e Itália. Muitos italo-brasileiros usaram sua dupla cidadania para estudar, trabalhar e estabelecer negócios na Itália, promovendo um intercâmbio cultural e econômico entre os dois países que continua até hoje.

5 visualizações0 comentário

Kommentit


bottom of page